Rede pública de saúde vai imunizar gestantes contra a coqueluche

Veículo: A notícia foi publicada nos principais jornais do País - BR
Compartilhe

De acordo com o Ministério da Saúde, a vacina será oferecida a gestantes entre 27 e 36 semanas de gravidez A partir de hoje (17), a rede pública de saúde disponibilizará para gestantes a vacina tríplice acelular (DTPa), que protege contra tétano, difteria e coqueluche, anunciou o ministro da Saúde, Arthur Chioro. O foco do ministério é a imunização contra coqueluche, de modo que as mães passem a imunidade para os bebês. Segundo o ministro, os casos da doença têm aumentado em todo o mundo. Salientou que 87% dos registros são de bebês com menos de 6 meses. Em 2013, foram 5.668 casos de coqueluche no Brasil e 110 óbitos. Quando a gestante é vacinada, o bebê fica imune por meio da placenta e protegido até completar o calendário vacinal. A imunização contra a coqueluche é oferecida pela rede pública para crianças. Ela é iniciada com a vacina pentavalente, administrada aos dois, quatro e seis meses. Entretanto, o bebê só é considerado imunizado após completar o quadro de vacinas. A criança também recebe como reforço a vacina DTP (difteria, tétano, coqueluche). O primeiro deve ser administrado aos 15 meses e o segundo aos 4 anos. O público a ser atingido é composto por 2,9 milhões de gestantes e 324 mil trabalhadores de saúde. O Ministério da Saúde adquiriu quatro milhões de doses da vacina. Doença infecciosa aguda, a coqueluche é causada pela bactéria Bordetella pertussis, transmitida pelo contato direto, por meio de gotículas de secreção eliminadas por tosse, espirro ou pela voz. Compromete especificamente o aparelho respiratório (traqueia e brônquios) e se caracteriza por acessos de tosse seca. 

Temas deste texto: