RJ: Risco em UTIs neonatal

Veículo: O Dia - RJ
Compartilhe

A falta de cirurgiões pediátricos nas UTIs neonatais das maternidades mantidas pela Prefeitura do Rio de Janeiro (RJ) põe em risco a vida, anualmente, de 350 a 1.050 recém-nascidos nas unidades. Segundo a Associação de Cirurgia Pediátrica (Ciperj), os números equivalem entre 1% e 3% dos 35 mil partos realizados por ano nas maternidades. Levantamento feito pela entidade mostra que as sete maternidades necessitam de 91 profissionais da área. "Não existe um médico dessa especialidade contratado. Em média, 3% dos bebês precisam de algum tipo de operação imediata", disse um dos diretores da associação, Marco Daiha. "Em casos de emergência, ficam ligando para outros hospitais à procura de um profissional, enquanto a criança corre risco de perder a vida", disse.

Temas deste texto: