RJ: Vulnerabilidade infantil cresce em grandes eventos

Veículo: O Globo - RJ
Compartilhe

Pobreza embates familiares, falta de estrutura tanto para fiscalização quanto para a acolhida de crianças e adolescentes são, junto com o trabalho infantil e o tráfico de pessoas, alguns dos fatores que, segundo especialistas, tradicionalmente levam à exploração sexual de crianças e adolescentes. Com a proximidade da Copa do Mundo, a vontade de assistir a jogos ou de simplesmente estar em meio a todo o burburinho do evento são ingredientes extras que poderão piorar – e muito – esse cenário. "Muitos adolescentes podem sair do interior na expectativa de ver os jogos, de participar da festa", ressalta Anna Flora Werneck, coordenadora de programas da ONG Childhood. Segundo relatório da ONG, que monitora os casos de exploração sexual em São Paulo, o risco de aumento dessa exploração é real e agravado tanto pela antecipação das férias escolares (estabelecida por governos por conta da Copa do Mundo) quanto pelo aumento do número de empregos temporários ligados ao evento. E a preocupação da ONG é compartilhada pela promotora de Defesa dos Direitos Difusos e Coletivos da Infância e Juventude de São Paulo, Fabiola Moran Faloppa.

Temas deste texto: