RS: Recém-nascido espera há quatro dias por um leito

Veículo: Zero Hora - RS
Compartilhe

Desde domingo, a família de Kaiki Cimirro dos Santos bate, de porta em porta, nos hospitais de Porto Alegre em busca de uma chance de vida para o recém-nascido. O menino veio ao mundo, na sexta-feira passada, com um problema cardíaco que requer cirurgia urgente. Como não há leitos pós-operatórios disponíveis, a criança está há mais de 90 horas em coma induzido com ajuda de aparelhos e de medicamentos. E, ainda que a Justiça tenha concedido liminar à família, Segundo o gerente de internação do Hospital da Criança Conceição, Lauro Luís Hagemann, a hipoplasia ocorre devido à diferença nas circulações fetal e pós-natal do bebê. Ou seja, a criança pode nascer sem ter o problema, que é detectado quando ocorre o fechamento da circulação fetal, podendo acontecer em até 15 dias após o nascimento. Por isso a doença foi percebida somente após a alta hospitalar. O problema poderia ter sido antecipado por meio de ecocardiografias durante a gestação, mas é um procedimento caro e faltam aparelhos e profissionais.

Temas deste texto: