SP: Médicos questionam cobrança por trabalho de parto

Veículo: Hoje em Dia - MG
Compartilhe

A Associação de Obstetrícia e Ginecologia de São Paulo (Sogesp) contestou parecer do Conselho Federal de Medicina (CFM) que permite a obstetras cobrarem de pacientes de planos de saúde pelo acompanhamento no trabalho de parto. Para o grupo, a assistência faz parte do procedimento do parto e não pode ser cobrada separadamente. "Se o valor pago é baixo, o paciente não tem nada com isso", diz o presidente da Sogesp, César Eduardo Fernandes. A advogada do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Joana Cruz, classifica a cobrança como abusiva. O parecer do CFM libera que obstetras cobrem um valor que garantiria à gestante o direito de ser acompanhada das primeiras contrações até o nascimento. Entre as justificativas estão a de que o parto pode levar várias horas e as operadoras de saúde não pagam pelo acompanhamento.

Temas deste texto: