SP: Sem registro, crianças do interior ficam ‘invisíveis’

Veículo: Folha de S. Paulo - SP
Compartilhe

No dia 27 de novembro, Bia completou seis anos. A menina nem tem nome oficial ainda – Bia é fictício. A garotinha é uma das 116 crianças nascidas em Ribeirão Preto (SP) com até 10 anos de idade que não havia sido registrada até o último Censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2010. Ainda hoje, Bia não é reconhecida legalmente em nenhum lugar. É como se fosse uma criança invisível, que não existe oficialmente. A situação da menina está longe de ser um caso isolado em muitas regiões pobres do País. Mas também é muito comum em Ribeirão Preto. De acordo com o Censo, até o ano de 2010, 3% dos nascidos vivos no município com até 10 anos de idade não haviam sido registrados. Outras 174 crianças nascidas no mesmo ano de Bia (2006) só foram registradas entre 2007 e 2010.

Temas deste texto: