Vacina contra HPV causa polêmica

Veículo: Diário de Pernambuco - PE
Compartilhe

No último dia 10, o Ministério da Saúde (MS) integrou ao seu calendário a vacinação contra o vírus papilomavírus humano, o HPV, responsável por cerca de 70% dos casos de câncer do colo do útero, terceiro tipo mais frequente entre mulheres no Brasil. Para 2014, o órgão investiu em 15 milhões de doses e pretende vacinar 80% das meninas de 11 e 13 anos, faixa etária em que estão 5,2 milhões de brasileiras. Alguns pais estão receosos com possíveis riscos, sobretudo de efeitos colaterais. Em fevereiro, a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) divulgou carta informando que, de acordo com o conhecimento científico atual a respeito do tema, a instituição entende que não há evidências de que a vacinação seja mais eficaz que a estratégia atual – o rastreamento por meio do papanicolau, no exame ginecológico. No entanto, segundo o secretário de Vigilância em Saúde do MS, Jarbas Barbosa, a vacina é eficaz e segura. Apesar de aceita pela maioria da população, a imunização tem sido alvo de críticas e questionamentos, inclusive nas redes sociais, que vão desde a saúde das meninas ao investimento de R$ 1,1 bilhão para os próximos cinco anos.

Temas deste texto: