Decisão inédita no País autoriza casal lésbico a fazer inseminação, em GO

Compartilhe

Um casal homoafetivo formado por duas mulheres conseguiu, a partir de uma decisão junto ao Conselho Regional de Medicina de Goiás (Cremego) em uma decisão inédita no Brasil, o direito de se submeter às técnicas de reprodução assistida. A decisão do Cremego, assinada pelo médico conselheiro Aldair Novato Silva, afirma que uma delas poderá participar da gestação com a fertilização de seus próprios óvulos, a partir de inseminação artificial com sêmen de doador, e que os embriões poderão ser transferidos para o útero da companheira.

O pedido da assistente administrativa Michelle Almeida Generozo, 34 anos, e da professora Thaise Prudente, de 28, foi protocolado em 8 de junho de 2011, mas a decisão só saiu no dia 31 de maio deste ano. Segundo Michelle, ela será a doadora dos óvulos e a companheira Thaise dará prosseguimento à gravidez.

Por problemas de saúde, Michelle não pode oferecer o óvulo para que fosse fecundado de imediato. Por isso, Thaise passou por um procedimento de inseminação artificial no último dia 29 de junho. O resultado para saber se a técnica de reprodução foi bem sucedida deve sair nesta sexta-feira (13). “Já estou me sentindo grávida”, afirma Thaise.

Leia a matéria na íntegra no site do G1.

Sugestão de fontes:

Centro Feminista de Estudos e Assessoria (CFEMEA)
(61) 3224-1791

Instituto de Estudos Socioeconômicos  (Inesc)
Assessoria de Comunicação – (61) 32120204
[email protected]

Observatório da Mulher    
Rachel Moreno
[email protected]